Fui “arrebatado”…

Foram 3 dias intensos, mas tinha uma razão…

Era uma experiência sobrenatural com Deus. Algo que jamais havia vivido antes.

Tudo começou com os 3 textos anteriores e nos 3 dias após ter feito o terceiro texto sobre como alcançar a vida abundante.

Era Deus concretizando em minha mente a revelação da manifestação da plenitude divina sobre o homem em suas 3 dimensões.

Isso mesmo. A mesma plenitude que se manifestou no Filho, Jesus, também está disponível para nós, filhos, co-herdeiros com Cristo.

Não sei se você leu o texto anterior (leia aqui), mas eu queria muito saber porque eu não conseguia ver Deus se manifestar na minha vida da mesma maneira que se manifestou na vida dos cristãos que viveram na igreja primitiva.

Eu estava buscando isso. Eu queria saber qual crença errada me impedia de viver o sobrenatural de Deus aqui na terra, viver o Reino, a plenitude de vida.

Então Deus me mostrou que ainda havia uma libertação pendente na minha vida. Eu havia sido liberto da culpa dos pecados (perdão pleno), havia sido liberto do fardo da Lei/religião (justificação), mas ainda não havia sido liberto de uma coisa…

De mim mesmo (negue-se a si mesmo).

Isso foi como uma bomba atômica no meu coração. Eu fiquei praticamente três dias consecutivos sem dormir. Uma quarta, uma quinta e uma sexta.

O entendimento deste terceiro ponto como sendo um dos pilares da libertação plena e o crescimento nele era o que faltava para liberar o Reino de Deus que já habitava dentro de mim através do Espírito Santo.

Deus sempre me dava algumas missões em meu coração, mas por eu ainda ser fraco na palavra da libertação do meu “eu”, a voz de Deus era abafada pelas minhas próprias vontades e o Espírito Santo ficava sempre em segundo plano.

No momento em que a minha mente começou a ser renovada intensamente na questão de ser livre de mim mesmo minha vida começou a ser transformada em uma nova dimensão.

Eu estava pronto para manifestar Deus e foi o que aconteceu.

Era uma experiência diferente. Deus queria me ensinar mais sobre essa revelação da “trindade cristã”, então o que fiz foi começar a obedecer tudo aquilo que Deus falava ao meu coração.

Deus me mostrava alguém e eu ia até lá pregar o evangelho e falar o que Ele me pedia para falar.

Era um atrás do outro. O frentista do posto, a menina atravessando a rua, a moça do guichê, o gerente do banco…

Ser liberto de si mesmo é algo que faz tudo ganhar sentido. Você começa a conhecer o real sentido das coisas. Entender o propósito para o qual fomos criados para viver. É indescritível e divertido.

Também era a chave que faltava para me ajudar a revelar diversos outros textos que ainda não conseguia entender muito bem. O Espírito Santo começou a fluir de tal maneira que Ele também me lembrava de inúmeros versículos e me revelava ao mesmo tempo. Era um intensivo de Deus.

Tudo o que vinha em meu coração eu escrevia, por isso não dormia, porque não queria deixar nada passar e quando o dia amanhecia começava tudo de novo…

Era como se Deus me chamasse para pular da janela e eu atendesse o chamado.

Na verdade, o que aconteceu foi quase isso. Era uma sexta-feira e eu estava voltando do trabalho após pregar o evangelho intensamente para o meu chefe judeu.

O momento mais crítico, a última etapa do que ainda estava por vir, foi nesse momento que eu me joguei com vontade.

Recebi uma direção no meu coração e fui com tudo sem me importar se iria ser demitido ou não, mesmo estando a um mês do nascimento do meu filho.

Eu apenas cria que Deus nunca me colocaria numa furada porque Ele é bom, e Ele sempre me lembrava disso…

Após pregar para o meu chefe, eu apresentei uma nova proposta de formato de trabalho, peguei o meu carro e fui direto encontrar um amigo meu. O Espírito Santo me mandou ir em direção ao local aonde esse meu amigo estava e eu fui, sem medo, mesmo antes dele responder se iria poder me encontrar lá ou não. Eu sabia que precisava ir e ponto final.

Então, no meio do caminho aconteceu algo…

Automaticamente eu comecei a repetir sem parar:

Santo, santo, santo é o Teu nome.
Santo, santo, santo é o Teu nome.
Santo, santo, santo é o Teu nome.

Foi como se o próprio Jesus estivesse entrado no meu corpo e tomado a direção do volante e do pedal do meu carro.

Eu estava consciente de tudo o que estava acontecendo, mas era como se eu não estivesse mais no controle do meu corpo.

Após um tempo, eu olhei para o velocímetro do carro e vi que ele estava cravado no limite de velocidade da rua sem eu saber.

Jesus estava guiando completamente o carro, e eu continuava declarando:

Santo, santo, santo é o Teu nome.
Santo, santo, santo é o Teu nome.
Santo, santo, santo é o Teu nome.

Até que após passar alguns metros de onde o meu amigo estava, o trânsito parou, eu pisei no freio, o carro morreu e eu fui …

… “arrebatado” …

Era como se o meu espírito não estive mais em mim, no entanto minha alma e o meu corpo permaneciam ali, pois eu estava consciente de tudo o que estava acontecendo. Fui tomado pelo poder de Deus.

Havia parado o trânsito de uma das avenidas mais movimentadas do Rio de Janeiro, a Avenida das Américas na Barra da Tijuca.

As pessoas começaram a buzinar loucamente atrás de mim e eu simplesmente fiquei lá, ouvindo tudo o que Deus continuava me falando…

Apenas 1 minuto e meio se passaram e uma pessoa que me conhecia me viu dentro do carro, parado.

Era uma pessoa com quem eu havia trabalhado há 6 anos atrás, ele tinha errado o caminho e havia perdido a hora para chegar no local do serviço que ele tinha para fazer.

Impressionante.

E além de tudo ele conhecia o meu primo, a primeira pessoa para quem ele ligou e então avisou toda a minha família.

Rapidamente minha mãe chegou ao local e me acompanhou na ambulância.

Os médicos tiveram que me arrancar do carro. Eles não entendiam nada, estava tudo 100% fisicamente comigo, mas eu continuava ali parado, de olho fechado, sem falar e sem me mover.

Já eu, não, estava consciente de tudo, e tinha uma razão para tudo aquilo estar acontecendo. Todas as falas das pessoas e todos os acontecimentos daquele momento tinham sentido para mim.

No caminho para o hospital aconteceu um coisa estranha, minha mãe tentou abrir os meus olhos e quando ela conseguiu ver, os meus olhos que são castanhos escuros estavam verdes claros, acesos, como se tivesse uma luz dentro…

Olhos verdes e acesos?!

Ela que já tinha uma voz no seu coração confirmando que eu estava tendo uma experiência com Deus ficou ainda mais convencida.

Chegamos então ao hospital e lá o Espírito Santo continuou ministrando para mim. Era o momento mais conturbado. Lá Ele me mostrava o quanto as pessoas sofrem pela ausência do entendimento destas 3 dimensões do evangelho de Cristo e o quanto somos tentados nestes 3 pontos também.

Enquanto estava deitado na maca da recepção o meu pai veio do nada ao pé do meu ouvido e começou a falar em línguas estranhas comigo, a primeira vez que eu ouvi o meu pai falar em línguas em toda a minha vida.

Este foi o momento mais especial para mim. O meu corpo começou a tremer e chacoalhar, algo estava entrando em mim, eram palavras poderosas, vindas direto do coração de Deus… Foi emocionante.

5 minutos depois, surgiu uma enfermeira falando: – Calma aí, calma aí gente…

Ela fez alguma coisa no meu peito e eu dei um pulo da maca!

Então abri os olhos e sentei.

As pessoas estavam olhando para mim assustadas. Eu estava no meio da recepção de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento).

Depois disso os médicos me conduziram para uma sala para me fazer perguntas, mas eu ainda não estava falando… no entanto, o Espírito Santo continuava falando comigo no meu íntimo.

Confirmando as 3 dimensões.

Eu ouvia as pessoas das outras salas brigando, era como se eu conseguisse ouvir o coração delas também.

A última sala que fiquei era praticamente o inferno, as pessoas estavam literalmente morrendo naquele lugar e todas as pessoas que falavam comigo ficavam me forçando a sair daquela experiência.

Eles queriam que eu “pensasse em mim” para sair daquela experiência, mas eu ainda não tinha essa direção no meu coração e nem conseguia fazer o que eles me pediam que era dizer o meu nome completo.

Dizer quem EU era.

Deus ainda queria terminar a experiência e Ele me disse que ela só iria acabar quando a minha esposa chegasse ao hospital.

Então, enquanto ela não chegava, as pessoas me bombardeavam com a tentação para que o meu “eu” prevalecesse e eu deixasse a experiência terminar antes da vontade de Deus.

Minha família e as pessoas do hospital pegavam a minha identidade e colocavam na frente dos meus olhos – Guilherme, esse é você! – Fala logo o seu nome se não eles vão te transferir daqui. E eu resistia todas as vezes.

Eu ficava olhando toda hora para todas as outras pessoas que estavam na mesma sala sofrendo de alguma doença.

Então duas horas depois desse “tormento” minha esposa chegou.

Ela veio sentar do meu lado e eu só conseguia dizer uma coisa para ela: – Eu te amo, eu te amo, eu te amo… Ela queria que eu falasse outra coisa, mas eu só falava isso.

Então por volta de 15 minutos depois ela me viu olhando para essas três pessoas doentes e disse: – Amor, você quer ir lá orar por eles?

E eu disse: – Quero…

Fui lá então e preguei o evangelho para aquelas três pessoas que ainda estavam na sala e quando preguei para o mendigo e falei que Jesus queria cura-lo ele deu um pulo e ficou de pé!

As enfermeiras disseram: – Não, não, não… Senta!

Ele sentava e depois se levantava de novo!!

Foi engraçado e incrível ao mesmo tempo.

Logo depois disso olhei para a minha esposa e ela me perguntou novamente o meu nome…

– Amor, fala o seu nome para a gente ir embora daqui, está na hora.

E eu falei.

Naquele momento eu me senti meio culpado por ter falado, no entanto, logo depois, quando os médicos tiraram o soro da minha veia, jorrou sangue pra todo lado. Meu braço ficou todo cheio de sangue e sujou o chão do corredor com várias gotas grossas e densas.

Aquilo pra mim foi como se Deus estivesse me lembrando do SANGUE DE CRISTO derramado na cruz, lembrando que todos os meus pecados passados, presentes e futuros já haviam sido perdoados, e então todo resquício de culpa saiu de mim naquele momento e eu fui para casa 100%…

Desde então tenho digerido tudo o que aconteceu naquele dia e meditado sobre as muitas coisas maravilhosas que Deus continua me mostrando até hoje.

Nos próximos textos vou compartilhar muitas coisas legais que tem feito diferença na minha vida e quero que seja na sua também. Coisas que tenho aprendido por ensinamentos e por revelação.

O meu desejo é que nós cresçamos juntos nisso, por isso criei o grupo no Facebook chamado “Amor Incomparável como Jesus” (clique aqui para entrar) para que todos nós possamos ter uma relação mais próxima, mesmo em lugares distantes fisicamente.

O corpo de Cristo é um só e precisamos nos unir cada vez mais para que possamos encorajar uns aos outros EM AMOR e contribuir para o avanço do Reino de Deus aqui nessa terra com ousadia!

“Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio.” (2 Timóteo 1:7)

Aleluia!!

Glorificado seja o nome do Senhor Jesus, o único que é digno de toda a honra e toda a glória para sempre, amém!!


Fique com Jesus!

 

Não deixe de abençoar a vida dos seus amigos e familiares, clique no ícone da rede social de sua preferência logo acima e compartilhe!  :)

Deixe também o seu comentário logo abaixo…

Comentários