A multiplicação da semente

“Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come também lhes suprirá e multiplicará a semente e fará crescer os frutos da sua justiça.” (2 Coríntios‬ ‭9:10‬)

Dízimos e ofertas.

Quero compartilhar aquilo que está no meu coração sobre esse assunto.

Por um bom tempo tenho digerido esse tema e buscado enxerga-lo sob a ótica da realidade da nossa identidade em Cristo que é a verdade sobre quem nós somos e como nos relacionamos com Deus.

Uma das práticas mais poderosas que aprendi a fazer nos últimos anos é a meditação. E meditação no contexto cristão nada mais é que “sentar ao lado” do Espírito Santo e deixá-lo à vontade para nos dar discernimento sobre aquilo que vimos ou ouvimos.

Quando fazemos isso com o coração humilde, cheio de fome por aprender, grandes coisas começam a ser reveladas. É um processo contínuo e que fica cada vez mais intenso e entusiasmante.

Eu pessoalmente gasto mais tempo meditando do que lendo ou ouvindo coisas novas.

Jesus realmente é apaixonante. Quanto mais ocupamos a nossa mente com aquilo que Ele disse ou fez, mais queremos conhece-Lo pessoalmente e é isso que possibilita nos apropriarmos da Sua imagem.

Jesus é a referência máxima sobre tudo que envolve o coração do homem e não há ninguém que tenha sido mais generoso que Ele em toda a história da humanidade. Uma representação perfeita do coração do nosso Pai.

Eu particularmente fui criado em lar cristão e em todo esse tempo já ouvi diversas interpretações sobre dízimos e ofertas como também já ouvi diversas incoerências sobre este assunto.

Em todos esses anos tenho buscado um entendimento mais profundo e apenas quero compartilhar com vocês aquilo que tenho chegado com o Espírito Santo até então.

Dízimos…

A forma como entendo os dízimos nos tempos de hoje é que se Deus foi revelado por Jesus como o nosso Pai, então porque um pai daria algo ao seu filho com a intenção de pedir uma parte de volta?

Qual pai daria uma mesada ao seu filho sob a condição de receber 10% de volta?

Se o intuito da graça é nos dar a liberdade necessária para que sejamos transformados conforme a imagem do Pai, não tem sentido o Pai colocar uma alíquota fixa de doação para que sejamos generosos como Ele.

Se damos porque existe uma porcentagem determinada então nunca aprenderemos a dar de coração porque não há transformação interior, não há espontaneidade.

Ninguém consegue ser livre e estar sob controle ao mesmo tempo. Ou somos livres para contribuir com aquilo que está em nosso coração ou vamos ser controlados pelas regras que SEMPRE supõe castigo.

Ou temos uma relação de liberdade com o Pai em graça ou nos relacionaremos com Ele através de regras.

Viver pela Lei foi a escolha do povo judeu lá no deserto, eles preferiram as regras, mas nós cristãos fomos chamados, assim como o povo judeu havia sido chamado, para viver pela fé em ouvir a Voz do Pai.

“É evidente que diante de Deus ninguém é justificado pela Lei (por cumprir regras), pois “o justo viverá pela fé (em resposta à Voz do Pai)”.” (Gálatas‬ ‭3:11‬)

Jesus trouxe de volta a realidade original de relacionamento com Deus porque foi para isso que fomos criados, para vivermos na liberdade do amor que suplanta todas as regras.

Os fariseus escolheram as regras e por isso Jesus falou para eles continuarem sendo obedientes ao dízimo. Repare que Jesus nunca ensinou os discípulos a darem dízimos.

“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês dão o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, mas têm negligenciado os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Vocês devem praticar estas coisas, sem omitir aquelas.” (Mateus‬ ‭23:23‬)

Se você quer permanecer no regime das regras então continue sendo obediente ao dízimo. No entanto, você não irá fazer nada mais do que a sua obrigação.

Mas se você quer ser guiado pela fé no que ouve do Pai, se você quer amadurecer através da intimidade, é sinal de que você O ama e quer estar mais perto dEle, fazendo o que Ele está fazendo.

“PELA FÉ Abel ofereceu a Deus um sacrifício superior ao de Caim. PELA FÉ ele foi reconhecido como justo, quando Deus aprovou as suas ofertas…” (Hebreus‬ ‭11:4‬)

Tudo o que o Pai quer de nós é um relacionamento próximo porque Ele nos ama e nos quer ao lado dEle.

Essa é a vontade de Deus, é isso que O agrada, é isso que nos faz aprovados (justificados) diante do Pai e a maior evidência da Sua presença é a Sua VOZ em nós.

É nEla que precisamos crer!

“Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dEle se aproxima (para ouvir a Sua Voz) precisa crer que Ele existe e que recompensa aqueles que O buscam (aqueles que desejam conhecê-Lo e fazer o que Ele está fazendo).” (Hebreus‬ ‭11:6‬)

A pergunta é, de que forma você quer se relacionar com Deus?

Apenas cumprindo as regras de maneira fria e religiosa ou pela fé na Sua voz em relacionamento?

Deus criou o homem para ouvir a Sua Voz e era assim que Adão se relacionava com Ele no início de tudo.

Não há nenhum registro na Bíblia de Adão dando dízimos à Deus.

E se Abraão deu 10% foi porque Ele teve fé naquilo que ele ouviu em seu próprio coração, foi espontâneo, e se você ouvir o mesmo não deixe de fazer.

A boa notícia nisso tudo é que conforme nós amadurecemos como filhos, avançando na revelação da verdade que nos leva ao discernimento da Voz de Deus, nós nos tornamos cada vez mais parecidos com Jesus em generosidade e naturalmente nos tornamos doadores em todos os sentidos, não apenas no aspecto financeiro.

10% passa a ser pouco para nós porque na verdade, assim como Jesus vivia, não há retenção, tudo em nossas vidas passa a estar disponível à Voz do Pai. Nada do que nós temos é nosso, todos somos mordomos, apenas administramos aquilo que nos foi confiado!

“Pois eu digo que, se a justiça de vocês não for muito superior à dos fariseus e mestres da lei (que se limitam às regras), de modo nenhum entrarão no Reino dos céus.” (Mateus‬ ‭5:20‬)

É algo que acontece no nosso coração quando damos espaço ao Espírito Santo em nossas vidas.

Quando nos posicionamos em humildade e nos rendemos aos Seus valores, pois Deus sabe que o caminho para a vida abundante é nos tornamos rios das Suas bênçãos, rios de águas vivas.

Ele é a nossa fonte!

Tudo o que um pai quer é que os seus filhos repartam aquilo que receberam uns com os outros conforme as suas necessidades.

Nenhum pai fica pedindo para o filho dar coisas para ele de volta.

O pai é sempre o provedor!

É Ele quem fornece as sementes!

Ofertar no espaço físico onde a igreja se reúne é para que todos os irmãos sejam beneficiados por aquela estrutura como também trazer mantimento àqueles que se dedicam de maneira integral naquele lugar.

O objetivo de semear, seja dentro da estrutura ou fora dela, sempre deve ser abençoar a vida das pessoas!

Semear pensando em colher para si mesmo é um pensamento puramente egoísta!

A colheita não é aquilo que acontece nas nossas vidas, a colheita é aquilo que acontece na vida daqueles que recebem a semente!

Nós não ofertamos para sermos abençoados, ofertamos porque somos benção.

Nós não damos pensando em receber, nós damos pensando em abençoar quem recebe CONFIANDO que o Supridor da semente irá supri-la e multiplica-la em nossas mãos ao ponto de sobrar mais do que o suficiente para nós da mesma forma que sobrou doze cestos para os discípulos quando eles alimentaram a multidão com cinco pães e dois peixes.

“Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come (o Pai/o Provedor) também lhes suprirá e multiplicará a semente e fará crescer os frutos da Sua justiça.” (2 Coríntios‬ ‭9:10‬)

Não é uma questão de barganha com Deus para atender um objetivo egoísta, mas sim de amor ao próximo, com a confiança no princípio da provisão abundante no Reino de amor do Pai para que todos nós vejamos cada vez mais os frutos do Espírito sendo manifestos através dos verdadeiros filhos de Deus que são guiados pela Sua Voz!

“porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus (pela Sua Voz) são filhos de Deus.” (Romanos‬ ‭8:14‬)

Não precisamos temer a escassez!!

“O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.” (Salmos‬ ‭23:1‬)

O pastor não pega os pastos e trás para as ovelhas, o pastor GUIA as ovelhas até os pastos.

Na nova aliança, pôr Deus à prova com relação à provisão, é confiar totalmente na Sua DIREÇÃO. É ser guiado à todo custo para que possamos experimentar a bondade de um Pai que é incrivelmente generoso.

“Deem e será dado a vocês (pelo Pai através de sementes): uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês. Pois a medida que usarem também será usada para medir vocês”.” (Lucas‬ ‭6:38‬)

Aleluia!!

O nosso Pai é incrível!!

\o/


Fique com Jesus!

 

Não deixe de abençoar a vida dos seus amigos e familiares, clique no ícone da rede social de sua preferência logo acima e compartilhe!  :)

Deixe também o seu comentário…

Comentários